Origem da devoção Mariana

Qual a origem da devoção Mariana?

Conheça a origem da devoção mariana e sua importância para a fé católica

Sem medo de errar podemos dizer que a devoção a Nossa Senhora começou aos pés da Cruz de Jesus, quando Ele mesmo entregou-a a São João como “sua mãe” e mãe de todos nós. Tanto assim que “ele a levou para a sua casa” (João 19,27). Como mãe da Igreja, a Virgem Maria sempre acompanhou os Apóstolos e estava com eles no dia de Pentecostes (cf. At 1,14).

Certamente esta devoção inicial a Maria, não era como hoje, litúrgica, mas certamente era cheia de intensidade, por ser a Mãe do Senhor.

Primeiras manifestações da devoção mariana

A devoção a Virgem se fortaleceu muitos com as primeiras aparições dela, logo no primeiro século. Considera-se a aparição de Nossa Senhora do Pilar no século I d.C. (Zaragoza, Espanha) como possivelmente a mais antiga, e depois a aparição em agosto de 352 em Roma – Na. Sra. das Neves aparece a João de Roma e ao Papa Libério. Muitas outras aparições se sucederam até hoje.

A partir do século III, alguns romanos piedosos começaram a dedicar sua fortuna a honrar Maria e os Apóstolos, construindo santuários e igrejas a eles dedicados. Um desses nobres, João de Roma, e sua esposa decidiram honrar Maria de todas as formas a eles possíveis.

Nos primórdios de Agosto, João e sua esposa tiveram ambos o mesmo sonho, onde Maria lhes aparecia e pedia-lhes que mandassem construir uma igreja numa das sete colinas de Roma – a Esquiline. João decidiu contar o sonho ao Papa, Libério; quando o fez, este relatou-lhe haver tido o mesmo sonho. A 5 de Agosto dirigiram-se ambos à colina de Esquiline, em cujo topo encontraram neve, desenhando o contorno duma igreja. Iniciaram imediatamente a construção duma igreja, obedecendo ao esboço sugerido pela neve. Esta é a origem da Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, que comemora sua fundação nesse dia de 5 de Agosto.

Dom Nelson Francelino, Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro, através de um artigo publicado na Arquidiocese do Rio de Janeiro, explicou a origem da devoção a Nossa Senhora. Ele afirma que “a devoção à Maria começou com o próprio cristianismo. Na pequena Casa de Nazaré, o Anjo Gabriel, mandado por Deus, aparece à Maria e lhe diz: “Salve, ó cheia de graça, o Senhor está contigo!” (Lc 1, 28).

Início da devoção mariana

Com estas palavras que vêm do Céu começa a devoção mariana. Outro fato marcante é quando Maria vai visitar santa Isabel; Isabel ouve a saudação de Maria e percebe que o menino “salta” de alegria no seio, e cheia do Espírito Santo exclama: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. A que devo a honra de receber a visita da Mãe do meu Senhor? Pois logo que chegou aos meus ouvidos a tua saudação, o menino saltou de alegria no meu seio. Feliz de ti que acreditaste, porque se vai cumprir tudo o que foi dito da parte do Senhor” (Lc 1, 42-45). É a segunda vez que a devoção mariana registrada no Evangelho.

E Maria canta o Seu Magnificat, de onde podemos destacar a célebre profecia que seus lábios pronunciaram: “Doravante todas as gerações me proclamarão bem aventurada!” Começava ai uma devoção mariana que jamais deixaria de existir em todo o mundo católico.

Quando Jesus nasceu em Belém, os pastores foram a adorá-lo. “Foram apressadamente e encontraram Maria, José e o menino deitado na manjedoura” (Lc 2, 15-16). Após terem se ajoelhado diante do Menino, certamente veneraram a Mãe do Salvador.

E depois chegaram os reis Magos para adorar o Deus Menino: “E a estrela que tinham visto no Oriente ia diante deles, até que, chegando ao lugar onde estava o menino, parou. Ao ver a estrela, sentiram imensa alegria; e, entrando na casa, viram o Menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, adoraram-No” (Mt 2, 9-11). Certamente, depois de adorar o Menino Deus e dar-lhes ouro, incenso em mirra, veneraram a Sua Mãe. Não é está também uma devoção mariana, que podemos perceber nas entrelinhas do Evangelho? pergunta Dom Nelson Francelino.
E o Bispo mostra ainda as bodas de Caná, como mais uma oportunidade em que a Virgem é saudada. Maria intervém com delicadeza e decisão, para salvar a alegria dos noivos. Os servos, que conheciam o milagre sabiam que ele aconteceu por intervenção dela e não deixaram de admirá-la, e quem sabe até pediram-lhe alguma graça. Dom Nelson imagina-os, dizendo: “Obrigado! A tua intervenção salvou a nossa festa. Continua a orar por nós!”

Assim começou a devoção mariana que continuou pelos séculos sem interrupção até hoje. A verdade é que desde que a Virgem Maria foi saudade pelo Arcanjo Gabriel, como a “cheia de graça”, “o Senhor é contigo”, foi olhada com admiração, por ser a Mãe de Deus humanado. E tudo isso culminou na oração da Ave Maria: “rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte”.
E a Virgem corresponde a esta bela e suave devoção de muitas maneiras, intercedendo por nós sem cessar diante do Seu Pai, do Seu Filho e do Seu amado Esposo, o Espírito Santo. O que não consegue para nós aquela que São Bernardo chamou de a “onipotência suplicante”?

 

Professor Felipe Aquino

↑ topo