Simplicidade

Conheça a casa dos pastorinhos Jacinta e Francisco

A casa de Jacinta e Francisco é um local de paz e aconchego

A casa de Jacinta e Francisco está localizada em Aljustrel, em Portugal, e foi o local onde nasceram os dois filhos mais novos da família Marto. De família simples, na humildade do lar, eles receberam a fé, aprenderam a conhecer e amar a Deus e a Virgem Maria.

Jacinta e Francisco estavam com sua prima Lúcia dos Santos pastoreando o rebanho da família quando, em 1917, de maio a outubro, tiveram a graça singular de ver Nossa Senhora na Cova da Iria.

Oração e penitência

Nos escritos de Lúcia a respeito de seus primos, ela descreve que, a partir da aparição, eles não tiveram outro desejo a não ser fazer em toda a vontade de Deus, contribuir para a salvação das almas e para a paz no mundo por meio da oração e penitência.

A vida deles era conduzida para atender aos apelos trazidos do Céu por Nossa Senhora. Apesar da tenra idade, em pouco tempo alcançaram uma extraordinária perfeição cristã. Viveram segundo os dons que receberam de Deus. Muito mais do que antes, a vida deles centrava-se em Deus de uma forma extraordinária.

Tiveram como primeiro objetivo amar a Deus e agradar-Lhe em tudo. Por isso, dedicaram longo tempo à oração e aceitaram sacrifícios e sofrimentos, os quais ofereciam pelos pecadores. O amor pelos pecadores, doentes e pobres era permanente e exprimia-se em atitudes e iniciativas: a oração, a oferta de alimentos, visitas e palavras de consolação e mesmo conselhos.

A fé diante da doença

Nessa simples casa, passaram momentos únicos e extraordinários vividos por Jacinta e Francisco antes de serem levados para o céu, como foi prometido por Nossa Senhora. Cada local da casa remete-nos a recordar esses fatos impressionantes, o modo como viveram a doença e como encaram a morte. Eis alguns deles: “E Jacinta, já muito doente, consola a mãe com estas palavras: ‘Não se aflija, minha Mãe: vou para o Céu. Lá hei-de pedir muito por si’” ( Memórias, 46).

Na doença, Francisco mostrou-se sempre alegre e contente. Lúcia, às vezes, perguntava-lhe:

– Sofres muito, Francisco?

– Bastante, mas não importa. Sofro para consolar a Nosso Senhor; e depois, daqui a pouco, vou para o Céu! (Memórias, 162)

Francisco despede-se de Lúcia dizendo-lhe: “Adeus, até ao Céu!…” (Memórias,

148)

Lúcia relata também que, junto da prima, sentia “o que, de ordinário, se sente junto duma pessoa santa que em tudo parece comunicar a Deus”. (Memórias, 185).

Os fiéis, hoje crianças, jovens e adultos, podem encontrar, nos beatos Francisco e Jacinta Marto exemplos admiráveis de vida de fé integral, responsável e heróica, que serão estímulo a uma vida cristã melhor. Beatificados pela Igreja, que reconhece suas virtudes heróicas, Francisco e Jacinta tornam-se intercessores.

Nilza e Gilberto Maia
Missionários da Comunidade Canção Nova

↑ topo